A paixão da rádio

O NetFM irá lentamente retomar a sua actividade normal.

Ao longo deste período de ausência, aproveitei para reflectir bastante sobre rádio, embora quase sempre me tivesse faltado a energia necessária para passar as ideias para o papel. Neste caso, para o weblogue. Assaltou-me essencialmente uma ideia, que associei ao facto de estar doente: a falta de vontade em ouvir rádio. De facto, passei muitas tardes em que pouco ou nada fiz e poderia ter estado acompanhada pela rádio. Poderia ter-me deixado embalar pelo ritmo ligeiro de uma conversa na rádio, ou por uma música quase escolhida a pensar em mim. Tal não aconteceu. Não escutei as manhãs da rádio e, sempre que estive online, optei por abrir a pasta de música que guardo na memória do computador, em detrimento da busca de rádios com emissão na Internet.

Se a rádio é, para mim, um interesse pessoal e profissional, porque razão não senti saudades ou necessidade de ouvir rádio durante este período de doença/convalescença?

Inicialmente pensei que o facto seria mesmo esse: a doença. Contudo, reflecti bastante e senti que, tal como para a maioria das pessoas, a rádio não estava a dar-me nada em especial. Reconheci contudo, que há projectos que estão bastante bem feitos e atraentes, independentemente de me enquadrar, ou não, no públioc-alvo. Adoptei uma postura de ouvinte comum, sem necessariamente ter uma atitude crítica ou reflexiva perante o que fui escutando. Limitei-me a ouvir apenas o que me apetecia num determinado momento e descobri que a maior parte das estações não são suficientemente atractivas para nos fixarmos, suficientemente cativantes para motivarem o regresso ou suficientemente interessantes para escutarmos com atenção.

O que falta então, à rádio? Onde está a paixão da rádio que motivava os profissionais? O que se perdeu?

Não só a rádio está formatada em função do gosto da maioria, como a criatividade se centra essencialmente na rentabilização da estação. A rádio, enquanto negócio, está cada vez mais bem estruturada e explorada. Contudo, meio de comunicação, perde para outros meios, essencialmente digitais, que vão ganhando terreno. Enquanto meio artístico, a rádio praticamente não existe, tendo abandonado essa função a favor de uma ideia de comercialização do meio. Quanto a isto, não poderemos desenvolver uma perspectiva redutora que encara este, ou qualquer outro meio, não como um suporte de comunicação, mas como um veículo de comunicação artística. Efectivamente, a rádio arte há muito que se perdeu, ganhando-se contudo, na criatividade através da qual o meio é explorado enquanto suporte de comunicação comercial, promocional e publicitária.

Haveria espaço para uma rádio mais artística? Estariam os ouvintes disponíveis para uma abordagem diferente? Não será esta a rádio que, de facto, os que ouvem rádio desejam escutar?

4 comments
  1. P. E. said:

    falha-me também, a vontade de ouvir Rádio (ou o que resta dela); tristemente. parece tudo tão igual que até curiosidade se esvai…
    votos de rápidas melhoras; venha de lá esse regresso à escrita!

  2. EMILIA said:

    Rádio só no carro durante as viagens ou à noite, sobretudo, as pessoas de idade com insónias.Existem ainda aqueles ,como o meu filho,que por opção não têm televisão e ouvem muito mais rádio. A rádio já foi a nossa ligação ao mundo,agora precisa de ser reinventada. Venha lá esse regresso às aulas fit. Bjs

  3. Bolas, que susto… A rádio que procura existe e está viva. Talvez não, de momento, em FM e em Portugal (embora a Ant2 tenha dado uns timidos passos) mas concerteza na net. Para prova basta ver redes como a Radia e as rádios a ela associada para ver que não é verdade… http://www.radia.fm (pese a publicidade).

    cmps,

    Ricardo Reis
    Rádio Zero – http://www.radiozero.pt

  4. vitoscano said:

    Bem se queremos ouvir algo de diferente nas rádios nacionais a nível musical só nos raros programas de autor que ainda vão existindo parabens á Antena 1(Luis Filipe Barros etc não muito claro) á 3(Nações Unidas etc sempre depois das 20) á Comercial(Água e Sal e 80 á hora)onde ainda surgem ainda que timidamente.Ou então em rádios muito locais como é o caso da Radar por exemplo, sinto pena pois raramente ligo o rádio em casa até me esqueço que tenho vários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s